Crônica Florensce

APOTEOSE EM SUSTENIDO.

  Os pássaros enaltecidos, mas derradeiros, vieram se fantasiar de saudades, entre uma réstia azul, um respaldo de crucifixo e o sofrimento sangrando. Era o penúltimo mês antes das procrastinações

VISITA EM AZUL

  Minha angústia e eu não nos colidíamos, ébrios ou sóbrios, há mais de um desespero robusto, duradouro e fugidio como sempre foram nossas antíteses, pois os confins ambicionados não

FOGÃO VELHO – CHAPA FRIA- CAFÉ REQUENTADO

    Se fazia urgência, Jupitão testemunhou, atendeu recado, era prestimoso das horas, aprumou, pasmou esgrouvinhado ao levantar, estirou as pernas frias, doloridas, sem embalos desde a manhã, carcomidas nas

DEVANEIOS EM ACALANTOS

  Propus-me, mas é bom declarar, antes dos flautins se oporem, por precaução, calmamente, a atravessar os ensejos, as tópicas e as metamorfoses. Se tal não se desse, como os

DESNOITANDO DO MADRUGAR E SAGAS OUTRAS

  Sem descanso, repicando ameno, mas triste, noite se desfazendo miúda, sino da matriz no mesmo embalo, por não ter outras obrigações além de marcar horas e manias. Por ser

BOEMIA, CAPOEIRA, SARAPATEL E OUTRAS DESAVENÇAS

O luminoso da Pensão Nossa Senhora das Boas Dádivas acabara de ser desmerecido. Ali, senhora respeitada de seus destinos e decisões, cafetina Merinha, pontual, desamuada, sem impertinências, ajoelhou-se respeitosa aos

ARATACAS E MEANDROS.

  Abriu tiro tanto de não sustentar lugar desperigoso. Acudei-me senhor, gritei nos sovados, mas desprocedeu. Des-houve de haver um desvolteio sem aprumos ou desfecho, pois arribou tristeza pelos desempertigados

POESIA EM OUTONO OU OUTROS MOTIVOS

  O verde mais sonoro, que por timidez e método preferiria camuflar-se entre as melancolias ouvindo o canto distante dos pássaros, surgiu do inesperado, ou melhor, do imaginário, sequer perdeu

POR SER SÁBADO

E por estarmos além do mais enlaçados em um momento muito propício à transição, em plena imantação conflitiva e imagética, absortos nós indelevelmente ao período esbentálio quaternário, plenamente extasiados pelas

FILOSOFIA E CORRUPÇÃO

  Recentemente, conhecidos cientistas dedicados às pesquisas em neurociências concluíram que a prática constante da desonestidade e da corrupção reestimula e reforça o próprio vício, incrementa a sensação de impunidade